top of page

Jornada da Sustentabilidade – Como Chegamos Aqui


Sustentabilidade

Trinta anos atrás, debaixo de objeções de alguns dos diretores do Instituto Rocky Mountain, Amory e Hunter Lovins, permitiram que um jovem de 29 anos lançasse um novo programa de trabalho com construtores imobiliários para tornar os edifícios mais eficientes em termos de energia e diminuir seu impacto no meio ambiente. Por falta de um nome melhor, chamamos o projeto de Green Development Services (Serviços de Desenvolvimento Verde em tradução livre.) Foi uma longa e estranha jornada, mas acho que aprendemos algumas coisas ao longo do caminho, às vezes por necessidade e outras vezes por um feliz acidente.


Quando as coisas ficam malucas, os doidões se tornam profissas...

Hunter S. Thompson, Medo e Delírio em Las Vegas, 1971 - Edição Brasileira: Conrad 2007


O design verde não funciona bem como uma corrida de revezamento.

O arquiteto entregando desenhos ao engenheiro mecânico com a instrução de ", Esfrie isso, aqui" não resulta em um edifício de alto desempenho. Os melhores projetos integram uma ampla gama de expertise e perspectiva no início, e daí a necessidade da charrete de design verde. (NT.: Charrete é um termo usado para descrever o intenso esforço final efetuado pelos arquitetos para a entrega de um projeto dentro do prazo). A complexidade do projeto de greening da Casa Branca em 1993 mostrou isso isso de forma realmente aparente, e a única maneira de resolver todas as questões foi em parceria com a AIA e o US DOE para reunir 130 pessoas em 13 equipes de trabalho em um esforço concentrado de 3 dias. Esse processo foi refinado pelo Comitê de Meio Ambiente da AIA (COTE) e outros em charretes subsequentes para a Renovação do Pentágono, e para o Greening dos Parques Nacionais de Yellowstone e Grand Canyon. Hoje, as oportunidades de charretes ambientais são quase uma prática padrão para o design verde.


Grandes economias nos resultados podem ser mais vantajosas do que pequenas economias no custo.


Embora isso vá contra tudo o que nos ensinaram sobre a diminuição dos retornos, a verdadeira lição é que, empurrando ainda mais para cima a curva de retorno, você pode chegar a um ponto onde pode reduzir muito ou eliminar equipamentos de um modo que compensa o aumento do custo dos componentes. Amory Lovins chama isso de "túnel através da barreira de custos", e talvez um dos exemplos mais convincentes vem de um experimento que o Davis Energy Group fez com a Pacific Gas & Electric. Em um desenho padrão da casa padrão de bairro comum, foi dada a regra de que qualquer medida seria aceita se tivesse um retorno de 10 anos ou menos (o que é generoso uma vez que 3 anos é tipicamente o máximo). Os projetistas continuaram adicionando medidas de eficiência energética até atingirem o limite de retorno e economizaram mais da metade da energia das outras casas do mesmo projeto. Havia várias medidas adicionais que eles queriam tentar que não atendiam aos critérios de retorno, mas, quando aplicadas, permitiram a remoção dos sistemas convencionais de aquecimento e resfriamento. O resultado foi uma casa que economizou 80% da energia e custou US$ 1.500 a menos para construir.


Tenha uma maneira de medir resultados.

Sustentabilidade

No início, o desempenho dos edifícios foi expresso como um superlativo. Era: muito verde, tipo verde, absolutamente verde ou verde profundo. No Rocky Mountain Institute (RMI) começamos com uma página e meia de descrição do que pensávamos ser um edifício verde; era desajeitado e obtuso. Eu estava trabalhando com David Gottfried em um subcomitê da ASTM para criar um padrão de construção verde. Foi um processo frustrante, com momentos estranhos de oposição que de repente ocorriam. David estava formando o Conselho de Construção Verde dos EUA e eventualmente abandonamos o esforço da ASTM e junto com muitas outras pessoas foi lançado o que se tornou LEED. Só mais tarde, como resultado de algumas audiências no Congresso, soubemos que nossas colisões na estrada ASTM tinham sido orquestradas pelo Instituto do Tabaco. O sucesso do LEED e outras certificações subsequentes possibilitou melhor avaliar o desempenho ambiental dos edifícios. Esta foi a revolução que levou a um crescimento exponencial no USGBC e ao número de edifícios verdes em todo o mundo.


O nível de certificação não é o objetivo.


À medida que o LEED e outros sistemas de classificação foram tomando conta, muitos proprietários e equipes de design começaram a definir seu objetivo em termos de obtenção de um certo nível de certificação a ser alcançado.

Esta abordagem está confundindo a ferramenta de medição com o que é realmente importante. Os objetivos reais devem ser melhorar o meio ambiente, enfrentar as mudanças climáticas e apoiar comunidades carentes. Em última análise, eu diria que a melhor maneira de estabelecer metas de desempenho é perguntar o que a natureza faria neste lugar, e isso geralmente significa ir além de zero. Como diz Janine Benyus, "a natureza não faz zero". Esse biomimicrío em nível ecossistêmico faz parte da conversa maior sobre a regeneração da cultura e dos lugares saudáveis.

E o mais importante...


Prédios são sobre pessoas.

Sustentabilidade

Foto: Internet


Na década de 1990, nosso foco era reduzir o impacto ambiental dos edifícios. No processo de coleta de estudos de caso para um livro sobre eficiência energética na fabricação e outro sobre desenvolvimento imobiliário verde, as duas equipes da RMI notaram que as pessoas eram mais produtivas em edifícios verdes. Isso foi uma surpresa, já que a literatura de gestão empresarial daquela época enfatizou o agora desacreditado estudo hawthorne que concluiu que a forma como você gerenciava as pessoas (e não o espaço) era o mecanismo que levava a ganhos de produtividade.

Inicialmente, pensamos que os ganhos de produtividade eram principalmente resultado de uma melhor iluminação e acuidade visual. Embora os benefícios econômicos desses ganhos fossem realmente impressionantes, começamos a suspeitar que eles poderiam ser um espaço reservado para a maior questão de saúde e bem-estar, o que nos levou a uma conversa com Judith Heerwagen sobre a conexão subjacente da humanidade com a natureza — biofilia.

Em 1991, eu nunca teria imaginado que estaria escrevendo sobre a economia da biofilia ou passando parte do meu tempo conversando com neurocientistas sobre processamento de padrões collineares e fractais estatísticos na natureza e aplicando esses elementos ao projeto de edifícios verdes.

Obrigado a todas as pessoas que fizeram parte desta jornada compartilhada.


Para onde vamos agora?

Sustentabilidade

Fotos: Divulgação/ Manas Bhatia


Extraido de Journey of Sustainability – How we got here

Autor: Bill Browning


Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page